Tags

, , , , ,

O medievalista Benjamin Arnold é Professor Emérito da Universidade de Reading e dedicou sua carreira ao estudo da Germânia Imperial Medieval, particularmente entre os séculos XI e XIII.

Publicou uma série de cinco livros que compuseram um vasto panorama acerca da elite feudo-eclesiástica que dominava o Império. O primeiro volume publicado foi German Knighthood 1050-1300 (Oxford: UP, 1985 e presente em nossa biblioteca virtual http://www.scribd.com/doc/103306981/German-Knighthood-1050-1300) um estudo acerca dos ministeriais, a camada social dos cavaleiros-servos, principal repositório de mão-de-obra militar e administrativa para a alta nobreza feudo-clerical germânica.

A seguir, em 1991, Arnold publicou pela Cambridge UP o segundo volume de seus estudos, o magistral Princes and Territories in Medieval Germany (também disponível em nossa biblioteca virtual http://www.scribd.com/doc/103280650/Princes-Territories-in-Medieval-Germany), dedicado à análise da distribuição do poder na Germânia Imperial Medieval entre os diversos tipos de principados (ducados, margraviatos, condados, eclesiásticos etc.) e o condomínio de poder entre o monarca e os príncipes, que caracterizou a descentralização do poder central na Germânia como um todo, mas permitiu a concentração dos poderes locais em principados territoriais dinásticos centralizados, embrião dos futuros “mini-absolutismos” da Modernidade.

No mesmo ano, Arnold publicou pela Pennsylvania UP o Count and Bishop in Medieval Germany: A Study of Regional Power 1100-1350, livro que teve como base sua tese de doutoramento, um estudo prosopográfico da nobreza regional na Bavária, na Francônia e na Suábia entre os séculos XII e XIV. De certa forma os dois livros se complementam, já que o Princes and Territories lida com a análise das estruturas de relacionamento de poder e o Count and Bishop trata do funcionamento prático das mesmas estruturas.

Em 1997 Arnold sistematizou suas análises acerca do funcionamento político da Germânia Imperial Medieval em Medieval Germany 500-1300: A Political Interpretation (Macmillan), lidando principalmente com a monarquia do Império Neo-romano dos Francos e dos Germânicos, tema que havia ficado em segundo plano em seus volumes anteriores.

Finalmente, em 2004 foi lançado pela Oxford UP seu último livro (até o momento) Power & Property in Medieval Germany Economic and Social Change c. 900-1300, no qual analisa as bases materiais (senhoriais e econômico-financeiras) sobre as quais se assentava o poder da aristocracia feudo-clerical germânica.

No mesmo ano também foi publicada sua contribuição para The New Cambridge Medieval History, Vol. IV 1024-1198 parte II, o capítulo “The Western Empire, 1125-1197”, pp. 384-421, síntese útil e (até o momento) atualizada, englobando grande parte das principais tendências na área.

Além destes textos, Benjamin Arnold publicou muitos e importantes artigos, dos quais selecionamos dois que podem ser encontrados online:

“German Bishops and the Military Retinues in the Medieval Empire”, German History v.7, 1989. Este paper analisa o importante papel militar dos bispos na Germânia Imperial, que não ocorreu com a mesma intensidade no restante da Europa, mas que pode ser explicado pelas particularidades do desenvolvimento das relações entre monarquia e episcopado na Germânia a partir do século X.
http://web.archive.org/web/20101229234559/http://www.deremilitari.org/resources/pdfs/arnold.pdf

“Emperor Frederick II (1194–1250) and the political particularism of the German princes”, Journal of Medieval History, Vol. 26, No. 3, 2000. Este paper foi dedicado à análise da questão de como Frederico II conseguiu governar a Germânia sem o auxílio das instituições centralizadoras que dispunha para a governança da Sicília.
http://his.library.nenu.edu.cn/upload/soft/haoli/115/428.pdf

Em suma, Benjamin Arnold construiu seu espaço como um dos Germanistas mais importantes na ativa entre a segunda metade do século XX e o início do XXI, sendo que a leitura de suas obras são essenciais para a compreensão do funcionamento de entidade política tão complexa quanto a Germânia Imperial Medieval.